Tornar-me pai

Uma reflexão importante que todos os pais podem fazer e que os irá ajudar a tornarem-se especialistas na arte de educar os seus filhos.

 

Um livro sobre

o que é ser pai

Antes de se tornar pai, o Rodrigo tinha uma ideia romântica do que era ter filhos. Imaginava-se um daqueles pais tranquilos, que utiliza o humor e a sabedoria para lidar com as dificuldades dos seus filhos, sem nunca se exaltar ou se descontrolar. Mal ele sabia o que o esperava. Descobriu que não tinha controlo, nem sobre eles, nem sobre ele próprio. Descobriu que muito do que é ser pai fazia parte do domínio das coisas que não sabia que não sabia, mas também das que não sabia que já sabia.

criar adultos felizes

À medida que ia crescendo com o crescimento dos filhos, Rodrigo foi compreendendo que tornar-se pai era acima de tudo ser parte de um campo organizador que permitisse que as crianças viessem a transformar-se em adultos capazes de fazer escolhas, sem fugir do que sentem. Compreendeu que os dois ingredientes principais de um campo assim são o amor e os limites. Pois sem ambos não existe uma base segura de onde a criança pode partir para as aventuras que lhe irão dar a conhecer o seu mundo externo, mas também o interno.

pais suficientemente bons

Este livro nasceu da vontade do Rodrigo partilhar de forma honesta aquela que é a experiência interna de um pai suficientemente bom. Escreveu-o para os pais que se culpam por não fazer melhor, para os que se descontrolam e os que se controlam em demasia, para os que têm medo de errar, os que estão cansados e os que vibram com os pequenos sucessos, para os que gostam de desabafar e para os que guardam tudo para si. Só não o escreveu para pais perfeitos, pois acredita que esses só existem na nossa ansiedade daquilo que deveríamos ser.

Rodrigo Dias

Rodrigo Vieira Dias nasceu em 1980, em Lisboa. É pai de dois e tio de sete. É antigo aluno do Colégio Militar e licenciou-se pelo Instituto Superior Técnico. Atualmente é o responsável pelo bem-estar profissional das mais de 100 pessoas que trabalham na Premium Minds. Além de trabalhar na área empresarial, acompanha vários clientes na clínica social do Centro de Psicoterapia Somática em Biossíntese e facilita processos de desenvolvimento pessoal na Oficina Clown. Foi presidente da Candeia, uma associação para a animação de crianças e jovens que vivem em instituições, e hoje faz parte do seu projeto Amigos P’ra Vida.

Quando tinha quinze anos, o seu pai descrevia-o como sendo o filho que quando chegava a casa, ninguém dava por ele. Aos poucos foi aprendendo que expôr o que pensa e o que sente, a partir de um espaço genuíno, o ajuda a perceber quem é, o que quer e para onde vai.  O gosto pela escrita foi-se mantendo vivo ao longo de toda a sua vida e materializou-se no blog A Pulsar onde escreve regularmente sobre as aventuras e desventuras de ser humano, nomeadamente ser pai.

Contactar o autor